Teresinha Covas Lisboa

De WikiHosp
Teresinha Covas Lisboa - Personalidades de Destaque - Memória Hospitalar
Parte 1
Parte 2


“O líder deve ter cinco atitudes básicas: ouvir sem julgar, ser autêntico, construir um clima saudável,
 partilhar o poder e desenvolver as pessoas”



Nos últimos anos, Teresinha Covas Lisboa, administradora hospitalar, consultora, professora e escritora de vários livros de gestão hospitalar, vem dedicando seu tempo ao tema da liderança nos serviços de saúde. Para ela, os verdadeiros líderes são aqueles que administram sem recursos, têm a confiabilidade da população e alcançam resultados em suas propostas de trabalho. Objeto de estudo de muitos tipos de organização, as lideranças, para ela, devem aparecer naturalmente e não se pode confundir o líder com o gerente:

“O líder prepara sua equipe para as mudanças e o gerente busca a ordem e a continuidade.”

Conteúdo

Liderança: Conceitos e ideias

Existem vários conceitos de liderança. O estilo aparece naturalmente, à medida que vão surgindo e crescendo as equipes. Não podemos engessar uma organização com um determinado modelo. A liderança corporativa pode ser um bom conceito, mas dependerá do perfil e do estilo de liderança dos dirigentes. Os processos de qualidade, também, com suas revisões e análise da cultura da organização, acabam por criar um ambiente em que os estilos de liderança são descobertos.

A liderança é objeto de estudo de vários tipos de organizações. Se a considerarmos como uma especialização acadêmica, atualmente temos programas que estudam a liderança como teoria.

No caso de ser um atributo, os profissionais devem buscar o aprimoramento para que possam melhorar suas relações de trabalho e as condições de trabalho dos liderados, no sentido de atingir resultados eficazes e produtivos para a organização.

A Descoberta dos líderes

Acho que podemos descobrir líderes. A lide-rança é uma qualidade que está intimamente ligada àquele que dirige uma unidade ou a organização. Não podemos confundir o líder com o gerente. O líder prepara sua equipe para as mudanças e o gerente busca a ordem e a continuidade. Podemos, sim, descobrir nas equipes aquele que poderá ser o líder e aprimorar as condições de conhecimento.

Podemos relacionar cinco atitudes básicas. Primeiro ouvir. Ouvir sem julgar, procurando discutir com a equipe as preocupações e dúvidas existentes. Segundo, ser autêntico, admitindo seus erros e acertos abertamente. Em terceiro construir um clima saudável entre os liderados, valorizando todas as ações da equipe. Em quarto lugar, partilhar o poder, delegando funções. E, em quinto, desenvolver as pessoas, criando um ambiente de expansão. Aquele que conseguir reunir todas essas atitudes tem condições de liderar com comprometimento e com a certeza de criar seus sucessores. Considero essas atitudes como uma lição de sabedoria.

A Gestão Hospitalar no Brasil

A visão empresarial, em substituição a assistencial, provocou uma inquietação nos profissionais de saúde. Temos visto congressos, seminários, cursos de graduação, de extensão, cursos de pós-graduação, enfim, atividades que vêm ao encontro das necessidades dos gestores. A profissionalização passou a ser um indicador de crescimento e de melhoria da qualidade dos serviços prestados à comunidade. O crescimento da área hospitalar possibilitou a geração de novos empregos e de novas profissões.

O SUS

Somos elogiados pela legislação do SUS. Porém, a gestão das políticas públicas é que poluem a efetividade do modelo. Precisamos ter gestores que realmente se preocupem com a saúde da população.

Salto de qualidade no atendimento

Para isso, seria necessário implementar programas de saúde que não sofram a interferência política. Seria importante que os programas sociais englobassem a obrigatoriedade de exames periódicos de saúde física e mental, saúde bucal, entre outros. E o maior salto seria a interatividade com a área da educação, no qual as escolas fariam o acompanhamento conjunto com a saúde. É importante, também, que haja um programa de conscientização da necessidade na prevenção das doenças. O Ministério da Saúde tem condições de organizar e administrar essas campanhas. Basta ter boa vontade e responsabilidade.

A formação de gestores para a saúde

Temos boas escolas e universidades que preparam os profissionais para os desafios da área de saúde. Precisamos incentivar os cursos de tecnologia, também, para dar suporte a esses gestores. Como docente da área de saúde vejo o potencial dos alunos que chegam à universidade com um histórico profissional muito bom. Isso considerando a pouca idade de muitos. Observo, também, que a área médica está buscando cursos de pós-graduação em Administração Hospitalar, o que é um avanço. Suas clínicas estão crescendo, a população crescendo, envelhecendo. Portanto, considero que a área de saúde está em grande expansão, o que resulta em boas oportunidades de emprego e de crescimento profissional.

O líder necessário

Nas grandes cidades ou nos pequenos hospitais localizados no sertão do Nordeste ou nas Santas Casas de cada estado, o grande líder na área de saúde no Brasil, hoje, não é aquele que administra com folga de caixa. É aquele que, usando de sua criatividade, consegue administrar seu hospital ou serviço, oferecendo bons serviços, corpo profissional preparado e eficiente atendimento à população. Temos um exemplo muito importante, que são os projetos que participam do Prêmio FBAH de Administração Hospitalar (Substituiu o extinto Prêmio Johnson & Johnson). Ali encontramos participantes que vivem no anonimato, mas que são verdadeiros líderes. Administram sem recursos, têm a confiabilidade da população e alcançam resultados em suas propostas de trabalho.

Formação Profissional

  • Mestrado em Administração Hospitalar
  • Doutorado em Administração pela Universidade Mackenzie
  • Especialização em Administração Hospitalar
  • Especialização em Didática do Ensino Superior
  • Administração Geral,Administração de Recursos Humanos e Hotelaria Hospitalar
  • Conselheira e 1ª. Secretária do Conselho Regional de Administração
  • Membro do Conselho Editorial da Revista “Administrador Profissional” do CRA/SP
  • Membro do Grupo de Excelência de Administração em Saúde do CRA/SP
  • Coordenadora do Grupo de Excelência de Instituição de Ensino Superior – CRA/SP
  • Presidente do Comitê de Ética do CRA/SP
  • Vice-Presidente do Instituto Nacional de Desenvolvimento Social e Humano – INDSH
  • Presidente da FAPESA- Fundo de Apoio à Pesquisa em Saúde (mantenedora da Faculdade Inesp)
  • Membro do Conselho Nacional de Saúde da Federação Brasileira de Administradores Hospitalares
  • Sócia Diretora da TCL Consultoria e Assessoria S/C Ltda

Atividades Didáticas

  • Professora Titular de Programas de Mestrado em Administração e de Cursos de Especialização/MBA (Inesp, Unisa, Unifieo, Faap, Uni-Facef, Faculdade Albert Einstein, Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo) em administração hospitalar,administração geral,administração de recursos humanos e hotelaria hospitalar
  • Coordenadora dos cursos de Administração Hospitalar da Faculdade INESP e UNI-FACEF

Autora e co-autora de livros na área de Administração Geral e Administração Hospitalar

  • Administração
  • Administração de organizações complexas
  • Gestão administrativa e financeira de organizações de saúde
  • Gestão de Serviços: limpeza e higiene, lavanderia em serviços de saúde - 3ª. edição
  • Gestão estratégica e liderança para a liderança em empresas de serviços privadas e públicas
  • Hotelaria Hospitalar
  • Hotelaria Hospitalar – Capítulo Governança
  • Humanização em Saúde
  • Liderança: uma questão de competência
  • Liderança e Criatividade em negócios
  • Limpeza e Higiene, Lavanderia Hospitalar
  • Manual de Gestão Empresarial
  • Manual de Segurança do Serviço de Processamento de Roupas dos Serviços de Saúde - 2. edição
  • Profissão:líder
  • Teoria Geral da Administração Hospitalar


Fonte: Revista Notícias Hospitalares.

Ferramentas pessoais